CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Intuições

«2023»

I

O dia despontou como um presságio de maldição. Um céu de prata enclausurava o alvorecer num hálito roufenho de melancolia e orvalho que castigava o ânimo das ruas ainda adormecidas. Soprava uma cálida brisa, e a folhagem serpenteava sobre a calçada como raspas de ferrugem que deterioravam o olhar.

- Estás à espera de quê? – Uma voz rude exasperava entre a luz e o torpor.
- O que aconteceu? Onde estou? – Indaguei ainda com a névoa das pálpebras entreabertas.

Tomei alguns segundos para lavar o rosto com a fosforescência do mundo. O horizonte alongava-se em vultos trémulos como labaredas de surro. Apercebi-me que tremia das pernas e que o coração batia desalmadamente rente às goelas. Vagas de pânico e gemidos lúbricos começavam a martelar-me os ouvidos sem piedade enquanto as íris descodificavam o pó e o fumo que fervia de um edifício em ruínas. A torre dos clérigos.

- O que fiz eu? – Olhava para as mãos ainda com nódoas de pólvora.

Os destroços esguedelhavam-se por dezenas de metros num panorama angustiante. O relógio da torre sobressaía dentre o mármore e o granito que jaziam no solo. Indicava 6h11m.

- Não há tempo…vamos! – Raul impelia-me drasticamente, esbracejando dentro de um velhinho BMW a hidrogénio liquefeito. A sua pintura prateada mesclava-se no firmamento.

Ainda à toa, fulminei-me para os estofos negros e rotos do automóvel. Um estridente guinchar derrapou pelos ouvidos e pelo asfalto, arrancando-nos da praça da liberdade numa velocidade caótica.

O meu cúmplice estava eufórico e uivava palavrões e saliva.

- O que fiz eu? – Insistia aterrorizado.
- O que fizeste? Rebentaste aquela porra toda! – Luís sorria-me maravilhado.
- Mas…não me lembro de nada – Olhava para o vidro traseiro onde a avenida dos aliados já se despedia – Foi o Cisco não foi? …Responde-me Raul! – Exaltei-me esmurrando o tablier com violência.

Um riso trocista denunciava a resposta que já adivinhava.

- Porquê? Como foste capaz de me fazer isto? Responde…

Ao vê-lo colocar a mão direita no bolso interior do casaco e retirar um revólver de ondas electromagnéticas que premeditava velozmente para a minha nuca, abri instintivamente a porta do passageiro e atirei-me em desespero. Senti a pele a rasgar no alcatrão e a carne a ferver aos trambolhões até embater contra a áspera murada de um casario. Espreitei aquela fúria prateada a guinar para longe da minha vista. Fiapos de sangue desbordavam-se dos joelhos e dos cotovelos, e as maçãs do rosto inflamavam-se subitamente em paletas púrpuras e violetas. Ergui-me a custo. Ao primeiro passo as pernas quebraram como se faltassem parafusos nas articulações. A dor era incomensurável. Levantei-me de novo e comecei a mancar.
Uma das sirenes que ao longe chilreava aproximava-se repentinamente. Aos tropeções dobrei uma esquina, outra e mais outra num arfar sôfrego de corpo devastado. Acalmei o passo julgando-me um pouco mais seguro. Inesperadamente, um planador da Ordem Pública gemeu agudamente e disparou no meu encalço. Arranquei novamente em correria, mas as mazelas do meu corpo espezinhado deitaram-me pelo chão. Desisti. De rosto no chão e olhos cerrados, degustei um sopro de ar quente que me afagava os contornos do corpo como se fosse a última refeição da derme em liberdade. Começou a chover timidamente. Senti o frenesim do veículo de patrulha estacionar junto de mim.

- Entra…depressa!

Balouço o rosto na sua direcção e reconheço as feições do Pedro. Agradeci aos céus. Num esforço heróico carreguei-me para dentro da viatura que se sustinha a um palmo do chão.

- És o Cisco não és? – Perguntou-me alertado.
- Agora já não… – Respondi num cicio quase inaudível.
- Do que é que te lembras? – Pedro perscrutou-me.
- Nad…
- O quê?

Desmaiei…

Submited by

sábado, janeiro 16, 2010 - 23:42

Prosas :

No votes yet

jopeman

imagem de jopeman
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 9 anos 10 semanas
Membro desde: 01/04/2009
Conteúdos:
Pontos: 3172

Comentários

imagem de mariamateus

Re: Intuições

:-)

João, joão........

Que delicia! é tão bom deixar levar-me pela tua escrita.........

Saborear cada frase como se não ouve-se mais nada!

Gostei muito do teu conto!

Beijo da amiga..

mm

imagem de Angelo

Re: Intuições

Excelente envolvencia esta narrativa, parabéns pelo conto.
Um abraço
Melo

imagem de FlaviaAssaife

Re: Intuições

João,

Já o admirava na poesia, agora mais aind atambém na prosa.

Narrativa envolvente, encadeamento preciso...

Parabéns!

Bj

imagem de ÔNIX

Re: Intuições

Olá João.

Tue tens uma escrita surpreendente a cada momento ido na leiutura

Um tema incisivo e realista num mundo onde impera a violência e a incapacidade de nos adaptarmos ao sistema, que a cada passagem, se torna mais corrosivo

Gostei

Obrigada pela participação

beijo

Matilde D'Ônix

imagem de Librisscriptaest

Re: Intuições

Uau!!! Esta fantástico João, prende desde a primeira linha, q vontade q dá de ler mais!!!
E depois é a forma como descreves tudo, o teu vocabulário rico e prodigioso a construir imagens! Deixas espaço à imaginação, mas conduzes com mestria o leitor pela tua mão! Adorei mesmo, mesmo!!!
Beijinho grande em ti!
Inês

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of jopeman

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Pensamentos Violentas Alegrias 5 751 10/20/2011 - 21:16 Português
Poesia/Pensamentos Gostei sobretudo das árvores que davam pássaros 5 751 10/20/2011 - 21:13 Português
Poesia/Amor sei que o amor é coisa de homens 1 831 10/20/2011 - 21:10 Português
Fotos/ - 1129 0 1.548 11/24/2010 - 00:37 Português
Fotos/ - 1127 0 1.874 11/24/2010 - 00:34 Português
Poesia/Pensamentos Sou Vadio 4 1.112 08/30/2010 - 09:57 Português
Poesia/Geral Destino Manifesto 2 1.244 08/22/2010 - 22:17 Português
Poesia/Aforismo Quietude (Desafio Poético) 4 817 08/02/2010 - 02:08 Português
Poesia/Dedicado Jopeman - O caminho (ao WAF) 2 854 07/06/2010 - 08:10 Português
Poesia/Amor A (quase) eterna leveza dos malmequeres 1 1.104 06/24/2010 - 05:05 Português
Poesia/Pensamentos A terra é só terra e eu penso nisso vezes demais 6 653 06/19/2010 - 22:44 Português
Poesia/Meditação Portas 7 889 06/12/2010 - 10:54 Português
Poesia/Meditação Que morram todos os sinais 1 825 06/12/2010 - 10:48 Português
Poesia/Meditação Viagem 3 969 06/12/2010 - 10:41 Português
Prosas/Contos Intuições 5 857 05/17/2010 - 22:01 Português
Poesia/Geral Só tu sabes! 6 830 05/17/2010 - 22:00 Português
Poesia/Alegria Corro 8 1.019 05/10/2010 - 15:06 Português
Poesia/Meditação As pedras não voam 11 890 05/02/2010 - 03:15 Português
Poesia/Geral Distâncias 9 937 04/07/2010 - 20:29 Português
Poesia/Geral Há aquelas coisas de que nunca penso se houver uma porta aberta 8 676 03/26/2010 - 09:42 Português
Poesia/Amor Amor de sol e lua (duo com Analyra) 7 956 03/23/2010 - 16:00 Português
Poesia/Geral Continuo sentado à varanda 7 951 03/17/2010 - 21:17 Português
Poesia/Desilusão O filho do vento 13 905 03/15/2010 - 15:56 Português
Poesia/Meditação O refúgio de D. Dinis 1 1.051 03/05/2010 - 13:08 Português
Poesia/Amor A dança dos amantes 1 986 03/05/2010 - 03:05 Português