CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Se temos o poder de criar, se nos fazem felizes o céu e a eternidade... Porque não?

Observo o transeunte. A sua corrida compenetrada, o seu stress, a sua preocupação, a sua consciência - Corre.

Corre para algo que lhe é tão vital e tão inútil.

Compromissos a cumprir, honra a defender, imagem a construir, lar a sustentar, vida a garantir, felicidade a atingir.

Luta desenfreado e a cada objectivo alcançado, logo outro se pré-figura mais adiante.

A satisfação encontra-a na ilusão da realização daquele objectivo proposto ou que se propôs. Satisfá-lo caminhar no encalço. Satisfá-lo o vencimento das etapas que se sucedem.

Atingido o objectivo, porém, a satisfação desvanece-se. Apenas um breve orgulho de vitória o regozija. Breve, porque logo, logo, verifica que apenas venceu uma obrigação, apenas fez o que se esperava que fizesse. Agora, lá no horizonte, a vida clama outra vez por ele. Lá à frente, incorporada noutro objectivo, noutra obrigação criada, noutra necessidade inventada, impele-o a continuar.

Pergunta-se porquê. Para que corre ele; para onde vai.

Respondo-lhe que apenas se cumpre. Respondo-lhe que esse universo, essa teia de compromissos, a sua consciência atormentada, são a razão porque se diz vivo.
São a sua própria vida, o sustento do seu ser, a certeza do seu eu.
Congregam uma energia vital feita da conjugação de uma miríade de factores extrínsecos e intrínsecos, nos quais realiza a sua identidade.

Quando o seu corpo se consumir, quando morrer, essa energia dissipar-se-á - a desintegração do seu ser tal como é, será inevitável. Persista o que persistir, o seu Eu jamais será. Essa consciência de si diluir-se-á no tempo.

O espírito poderá ser etéreo ou eterno, mas eu não o sou com toda a certeza. Este espírito, esta alma, estas linhas... São minhas. Mas é tão certo isto, que sou tão Eu, quanto certo é que desintegrada a minha humanidade, desaparecerei.

Não mais viverei. Não mais sentirei enquanto Eu. Serei outra coisa, outro quem - simplesmente matéria ou composta matéria - O que for. Não serei mais Eu.

Existirei talvez. Sem vida, vogarei porventura na memória de alguns. Mas ser-me-á então indiferente, pelo simples facto de que não vivo.

Esse Eu que, dizem, estará no céu, não serei Eu. Esse, Eu que permanecerá na memória do Mundo não serei eu.

O eu é finito. É o lampejar de luz no candeeiro, que irremediavelmente se apaga quando a lâmpada se funde.

A electricidade, a energia, ou a vida, continuará ali - troque-se a lâmpada e a luz reviverá. Mas a lâmpada inicial... essa, não mais tornará.

O meu Eu, o teu Eu, são a lâmpada. A electricidade está lá, mantém-se, mas a luz...
A existência é como a electricidade - está lá sempre, a vida é que não.
Que há de extraordinário nisto afinal? Porque teimarmos em cindir a vida da existência'
Faz-nos mais felizes isso de sabermos que nos apagamos e pronto?

Não, isso angustia-nos. Rouba-nos felicidade, atormenta-nos e faz-nos morrer vivos.

Por isso, digo:
Esqueçamo-nos disso. Inventemos, arroguemo-nos o direito à criação, sejamos felizes. Que diabo, que há de mal nisso?

Viva vida, viva a criação, viva a eternidade, os santos, os anjos, Deus e tudo mais que queiramos.
 

Submited by

domingo, fevereiro 27, 2011 - 11:18

Prosas :

No votes yet

miguelmancellos

imagem de miguelmancellos
Offline
Título: Moderador Música
Última vez online: há 2 anos 32 semanas
Membro desde: 07/29/2010
Conteúdos:
Pontos: 372

Comentários

imagem de antonioduarte

Adorei o seu texto.Muito bom;

Adorei o seu texto.Muito bom; muito entendimento repartido pela criação dos momentos mais lindos; onde, a felicidade, incita, ao caminhar das coisas mais simples.

Parabéns. PALMAS!

A eternidade é a procura satisfatória.

Grande abraço.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of miguelmancellos

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Por Saber 2 992 06/11/2011 - 22:23 Português
Poesia/Geral Promessas vãs 1 718 05/25/2011 - 19:04 Português
Poesia/Geral O Pensamento 3 672 05/16/2011 - 19:26 Português
Poesia/Geral O Nada, O Absurdo e a Minha Ignorância 2 527 05/16/2011 - 19:20 Português
Prosas/Pensamentos A Arte e o Mundo 1 751 05/14/2011 - 22:05 Português
Poesia/Tristeza Hipocrisia Sem Nome 1 956 05/10/2011 - 01:08 Português
Prosas/Pensamentos UMA PEQUENA TRAVESSURA,,, 0 703 05/09/2011 - 21:59 Português
Poesia/Geral Sentes??? 2 860 05/08/2011 - 18:32 Português
Poesia/Geral Soturno Silêncio 3 1.311 05/08/2011 - 01:31 Português
Poesia/Geral Loucura??? 1 828 05/07/2011 - 15:29 Português
Prosas/Pensamentos O Egoísmo e a Armadilha dos Conceitos 0 747 05/07/2011 - 11:45 Português
Poesia/Geral Quando Partiste 6 1.030 04/29/2011 - 11:00 Português
Prosas/Pensamentos Se temos o poder de criar, se nos fazem felizes o céu e a eternidade... Porque não? 1 1.065 04/22/2011 - 03:11 Português
Poesia/Geral bora fazer daquilo uma TERTÚLIA 1 1.030 04/21/2011 - 01:06 Português
Prosas/Pensamentos Pensando o "ser homem" 2 844 04/18/2011 - 16:01 Português
Prosas/Pensamentos Se Não Fores Tu a Acreditar em Ti, Quem o Fará? 0 1.178 04/11/2011 - 19:43 Português
Poesia/Geral Digo..! 2 905 04/08/2011 - 10:29 Português
Poesia/Geral Há Palavras Assim 6 788 03/28/2011 - 16:50 Português
Videos/Outros O amigo verdadeiro está sempre LÁ!!! Ver em Full screan. 0 1.623 03/28/2011 - 16:32 Português
Poesia/Geral O Valor, as Coisas e… 2 818 03/11/2011 - 21:02 Português
Poesia/Geral Difícil Dizer 1 648 03/09/2011 - 00:47 Português
Poesia/Geral Distância 1 903 03/04/2011 - 23:02 Português
Poesia/Geral Até Quando? 1 758 03/03/2011 - 21:45 Português
Poesia/Geral Gorada Melancolia 0 822 02/28/2011 - 19:53 Português
Poesia/Geral Solidão 0 546 02/28/2011 - 19:21 Português