CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

As intermitências da vida...

Erguem-se os minutos, como muros embandeirados,
publicitando distancias ténues...
Há um vazio preenchido de lutos e sonhos desfeitos,
estilhaçados pelas opiniões medíocres dos outros,
provando os olhares reprovadores que trazem as dores
a cada momento...
Existem romances contrafeitos,
alugados, copiados, ou falsificados,
por memórias roubadas a casais intemporais
que morreram precocemente porque tinham experimentado
e sugado o melhor da vida...
(Não fazia sentido
descer do cume das emoções e ser banal
e acordar com mau hálito, ou envelhecer,
ou simplesmente ter falta de erecção...)
A morte pode ser o Cristo redentor do Amor...
A perfeição tem uma esperança de vida reduzida!
Não tem razão de ser, andar por cá, muito tempo,
se se achou e teve aquilo que procurámos sempre...
A cruzada termina e o soldado despe a armadura
e arruma a espada...
(O que lhe chamamos agora?)
Vivemos aquilo que a vida nos põe na mesa,
na certeza porém,
de que não adianta reclamar,
se está salgado, ou insosso,
ou existe alergia alimentar...
Ela venda-nos os olhos e obriga-nos a comer,
garfada, a garfada...
Às vezes, podemos optar pela peça de fruta...
(Para nos sentirmos a dominar alguma coisa...)
Mas foi ela quem foi a mercearia escolher tudo...
Viver não custa...
Custa aceitar viver, continuar e ser feliz!
E esta é a única sabedoria que tenho.

Inês Dunas

Libris Scripta Est

Submited by

segunda-feira, outubro 24, 2011 - 12:02

Poesia :

No votes yet

Librisscriptaest

imagem de Librisscriptaest
Offline
Título: Moderador Prosa
Última vez online: há 7 anos 1 semana
Membro desde: 12/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 2721

Comentários

imagem de Mefistus

Viver não custa

Viver assim não custa, no acto de perceber, no acto de receber e sobretudo no acto de aqui pertencer.

 

Gosto muito do que escreves, mesmo de armadura despida...

 

 

Beijos doces

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Librisscriptaest

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza Quimeras... 2 2.579 06/27/2012 - 16:00 Português
Poesia/Geral Presa no transito numa sexta à noite... 2 1.466 04/12/2012 - 17:23 Português
Poesia/Dedicado Santa Apolónia ou Campanhã... 2 895 04/06/2012 - 20:28 Português
Prosas/Outros Gotas sólidas de gaz... 0 1.123 04/05/2012 - 19:00 Português
Poesia/Geral Salinas pluviais... 1 1.268 01/26/2012 - 15:29 Português
Prosas/Outros Relicário... 0 1.294 01/25/2012 - 13:23 Português
Poesia/Geral A covardia das nuvens... 0 1.483 01/05/2012 - 20:58 Português
Poesia/Dedicado Arco-Iris... 0 1.613 12/28/2011 - 19:33 Português
Poesia/Amor A (O) que sabe o amor? 0 1.297 12/19/2011 - 12:11 Português
Poesia/Geral Chuva ácida... 1 1.326 12/13/2011 - 02:22 Português
Poesia/Geral Xeque-Mate... 2 1.240 12/09/2011 - 19:32 Português
Prosas/Outros Maré da meia tarde... 0 1.474 12/06/2011 - 01:13 Português
Poesia/Meditação Cair da folha... 4 1.841 12/05/2011 - 00:15 Português
Poesia/Desilusão Cegueira... 0 1.549 11/30/2011 - 16:31 Português
Poesia/Geral Pedestais... 0 1.466 11/24/2011 - 18:14 Português
Poesia/Dedicado A primeira Primavera... 1 1.523 11/16/2011 - 01:03 Português
Poesia/Geral Vicissitudes... 2 1.630 11/16/2011 - 00:57 Português
Poesia/Geral As intermitências da vida... 1 1.741 10/24/2011 - 22:09 Português
Poesia/Dedicado O silêncio é de ouro... 4 1.420 10/20/2011 - 16:56 Português
Poesia/Geral As 4 estações de Vivaldi... 4 1.686 10/11/2011 - 12:24 Português
Poesia/Geral Contrações (In)voluntárias... 0 1.309 10/03/2011 - 19:10 Português
Poesia/Geral Adeus o que é de Deus... 0 1.504 09/27/2011 - 08:56 Português
Poesia/Geral Limite 2 1.589 09/22/2011 - 22:32 Português
Poesia/Geral Quem nunca fomos... 0 1.976 09/15/2011 - 09:33 Português
Poesia/Geral Antes da palavra... 1 2.256 09/08/2011 - 19:27 Português