CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Quando um é a soma de dois...

Já cultivei mil ventos dentro de mim,
fui searas de revoluções,
fui campos de revolta,
fui cavalo à solta em prados de insatisfações...
A entrega sempre me assustou
e mascarei-me de independência muitas vezes,
quando era apenas a resistência que me vestia...
A minha alma edificou uma torre com degraus íngremes
e avisos de derrocadas para desencorajar o amor...
E o amor passava todos os dias por mim,
encolhia os ombros,
acendia um cigarro,
olhava para o cume da minha torre,
piscava-me o olho e sorria!
Pelas janelas dos meus medos via-o passar
e achava-o interessante no seu modo deselegante de andar...
Mas até os medos têm um dia de folga
e nesses dias os sonhos sobem as escadas todas!
Não sei em qual dos dias me rendi ao sonho,
mas sei que foram todos a partir desse dia...
O desafio venceu-me,
porque nunca passei de um desafio qualquer,
daqueles que são uma meta ridícula que se atravessa por curiosidade...
E a idade apenas me trouxe vários vencedores de desafios
que me venceram frios,
em dores muitas vezes...
Mas no meio de tantas corridas nasceu o gosto
por ser corrida e percorrida e descoberta!
E a vontade de pertencer aprendeu a saber-se valer de direito,
no enlace, enlacei-me e encontrei-me!
Não fui feita para estar só, só isso...
Os dedos não se entrelaçam ao acaso,
nem se deslaçam sem deslizarem, intimamente...
Tudo na vida é um gesto...
E nem o ocaso resiste ao toque
da areia morna e dourada deitada em dunas de seios cheios,
à sua espera...
Tudo é parte de algo que parte, às vezes...
E um deve ser a soma de dois,
numa soma perfeita, feita de parcelas imperfeitas!

Inês Dunas
Libris Scripta Est

Submited by

segunda-feira, agosto 16, 2010 - 01:11

Poesia :

No votes yet

Librisscriptaest

imagem de Librisscriptaest
Offline
Título: Moderador Prosa
Última vez online: há 7 anos 7 semanas
Membro desde: 12/09/2009
Conteúdos:
Pontos: 2721

Comentários

imagem de Lopez

Re: Quando um é a soma de dois...

Quando o amor sorri, nada fica impune muito menos o poema que esbanja beleza e intensidade em cada palavra.
beijo pra ti.

imagem de danyfilipa

Re: Quando um é a soma de dois...

"Já cultivei mil ventos dentro de mim,
fui searas de revoluções,
fui campos de revolta,
fui cavalo à solta em prados de insatisfações..." - gostei mt desta parte inicial

"A entrega sempre me assustou
e mascarei-me de independência muitas vezes,
quando era apenas a resistência que me vestia..." - porque nao largamos as marcaras de vez em quando?

"E o amor passava todos os dias por mim,
encolhia os ombros,
acendia um cigarro,
olhava para o cume da minha torre,
piscava-me o olho e sorria!" - e nao lhe chamavas, cabrao??!
LLOL

"Mas até os medos têm um dia de folga
e nesses dias os sonhos sobem as escadas todas!" - e lá subiu ele as escadas até a princesa

"O desafio venceu-me,
porque nunca passei de um desafio qualquer,
daqueles que são uma meta ridícula que se atravessa por curiosidade..." - nunca tiveste entao um bom treinador que te ajudasse a vencer os desafios :-P
LOL

"Não fui feita para estar só, só isso..." - forte

"E um deve ser a soma de dois,
numa soma perfeita, feita de parcelas imperfeitas!" - e tua poesia sempre é perfeita, sempre tem sentido!!

bom te ler
e pensar
:-)

beijoka biggggg na princesa do seixal

imagem de MargaridaRibeiro

Re: Quando um é a soma de dois...

Um gesto pode ser a sementeira, a terra pronta recebe a enxada, a vagem, a haste...mas um não é a soma de dois: o par é um meio para o sonho. O principio é o mistério do universo. Amanhã aqui é a síntese...um hiato de tempo estatistico que o infinito acolhe como um poema que se forma por entre as folhas de uma oliveira.

Mas o imperfeito tão belo...para quê ser imperfeito?
Rasgue-se esse epiteto e coloque-se o manto floral que perfuma e enebria onde o seu olhar toca.

:-)

imagem de Mefistus

Re: Quando um é a soma de dois...

Lindissimo.

ressalvo;
Fui searas de revoluções,
fui campos de revolta,
fui cavalo à solta em prados de insatisfações...
A entrega sempre me assustou

O desafio venceu-me,
porque nunca passei de um desafio qualquer,
daqueles que são uma meta ridícula que se atravessa por curiosidade...
E a idade apenas me trouxe vários vencedores de desafio

Tudo é parte de algo que parte, às vezes...
E um deve ser a soma de dois,

A abordagem da partilha, numa dor de pertencer ou fugir de nós.

Gostei bastante!

imagem de RobertoEstevesdaFonseca

Re: Quando um é a soma de dois...

Oi, Inês.

Gostei deveras do seu poema!!!

Grande abraço,
Roberto

imagem de apsferreira

Re: Quando um é a soma de dois...

Magnífico texto, de que
gostei, verdadeiramente.
:-)

imagem de Angelo

Re: Quando um é a soma de dois...

Tudo é parte de algo que parte, às vezes...
E um deve ser a soma de dois,
numa soma perfeita, feita de parcelas imperfeitas!

Intenso, impressionante, mas lindo de ler, igual aos muitos que escreves, parabéns Inês por esta partilha
Um enorme beijo Melo

imagem de rainbowsky

Re: Quando um é a soma de dois...

Olá querida Inês!

Um dos poemas que mais gostei de ler de ti, senão realmente o que gostei mais!

Levo-o comigo para o mundo dos sonhos!

beijo infinito!

rainbowsky

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Librisscriptaest

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza Quimeras... 2 2.763 06/27/2012 - 16:00 Português
Poesia/Geral Presa no transito numa sexta à noite... 2 1.502 04/12/2012 - 17:23 Português
Poesia/Dedicado Santa Apolónia ou Campanhã... 2 932 04/06/2012 - 20:28 Português
Prosas/Outros Gotas sólidas de gaz... 0 1.152 04/05/2012 - 19:00 Português
Poesia/Geral Salinas pluviais... 1 1.309 01/26/2012 - 15:29 Português
Prosas/Outros Relicário... 0 1.351 01/25/2012 - 13:23 Português
Poesia/Geral A covardia das nuvens... 0 1.537 01/05/2012 - 20:58 Português
Poesia/Dedicado Arco-Iris... 0 1.664 12/28/2011 - 19:33 Português
Poesia/Amor A (O) que sabe o amor? 0 1.361 12/19/2011 - 12:11 Português
Poesia/Geral Chuva ácida... 1 1.364 12/13/2011 - 02:22 Português
Poesia/Geral Xeque-Mate... 2 1.276 12/09/2011 - 19:32 Português
Prosas/Outros Maré da meia tarde... 0 1.507 12/06/2011 - 01:13 Português
Poesia/Meditação Cair da folha... 4 1.871 12/05/2011 - 00:15 Português
Poesia/Desilusão Cegueira... 0 1.584 11/30/2011 - 16:31 Português
Poesia/Geral Pedestais... 0 1.527 11/24/2011 - 18:14 Português
Poesia/Dedicado A primeira Primavera... 1 1.557 11/16/2011 - 01:03 Português
Poesia/Geral Vicissitudes... 2 1.671 11/16/2011 - 00:57 Português
Poesia/Geral As intermitências da vida... 1 1.791 10/24/2011 - 22:09 Português
Poesia/Dedicado O silêncio é de ouro... 4 1.462 10/20/2011 - 16:56 Português
Poesia/Geral As 4 estações de Vivaldi... 4 1.770 10/11/2011 - 12:24 Português
Poesia/Geral Contrações (In)voluntárias... 0 1.364 10/03/2011 - 19:10 Português
Poesia/Geral Adeus o que é de Deus... 0 1.539 09/27/2011 - 08:56 Português
Poesia/Geral Limite 2 1.641 09/22/2011 - 22:32 Português
Poesia/Geral Quem nunca fomos... 0 2.057 09/15/2011 - 09:33 Português
Poesia/Geral Antes da palavra... 1 2.312 09/08/2011 - 19:27 Português